60 milhões de euros em 2018 para proteger o litoral

Célia Ramos, secretária de Estado do Ordenamento do Território

A Secretaria do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, em Portugal, elaborou o Plano de Ação Litoral XXI, cujo objetivo é combater a erosão costeira, prevenir o impacto negativo das alterações climáticas, com a sua ameaça de perda de terreno para o mar, e proteger cidadãos e bens em risco. Só no próximo ano está previsto um investimento de 60 milhões de euros em várias intervenções, mas o plano tem um horizonte temporal alargado, até 2030, que contempla um total de 954 intervenções já identificadas, num montante global de 784 milhões de euros.

Entre as prioridades estão a consolidação ou desmontagem de arribas que constituem risco para a segurança de pessoas e bens; a requalificação de cordões dunares em áreas críticas para o equilíbrio dos ecossistemas, ou ainda o desassoreamento de barras e sistemas lagunares ou baías. Este último tipo de intervenção é um dos que ganha destaque no plano, não só pelo seu impacto positivo nas zonas que, assim, ficam desassoreadas e transitáveis, no caso de portos e barras, mas também porque os sedimentos retirados serão, por seu vez, utilizados para alimentar as zonas mais vulneráveis de litoral arenoso, onde há risco de recuo de costa, quer pela falta de sedimentos, quer pela subida do nível do mar e dos fenómenos extremos associados às alterações climáticas, como a ondulação forte.

“Trata-se de fazer gestão ativa e não reativa, de fazer prevenção, uma vez que o nosso litoral está sob ameaça por causa das alterações climáticas”, nota a secretária Célia Ramos. Leia aqui.

Entrevista sobre o Projeto Riviera Santa Maria

Raul Ivan Delavy, um dos idealizadores do Projeto Riviera Santa Maria

Para a edição de Setembro/2017 a revista Giropop entrevistou Raul Ivan Delavy, um dos idealizadores do Projeto Riviera Santa Maria, que esclareceu diversos assuntos de interesse da população de Itapoá, como a origem, o objetivo e o andamento deste projeto, que terá grande impacto no Município. Confira aqui.

Seminário do Projeto Orla em Itapoá

Audiência do Seminário Projeto Orla Itapoá

A multiplicidade de leis e regulamentos que afetam a ocupação da orla marítima gera
insegurança jurídica para os proprietários e investidores nesse importante espaço urbano. O Projeto Orla visa pacificar o tema, deixando claro os limites de uso destas áreas. O Jornal Em Foco noticiou:

Bambu, nova opção para florestas plantadas

Hans J. Kleine

Hans J. Kleine acompanha o desenvolvimento da silvicultura brasileira há 50 anos. Em recente artigo para o Painel Florestal, ele destaca que o Brasil é o país com a segunda maior cobertura florestal do mundo, que abrange hoje em torno de 60% da área do país e só perde em extensão para a da Rússia. E conta da sua experiência e seus estudos sobre três importantes matérias-primas: eucalipto, pínus e bambu. Em sua opinião o bambu substitui a madeira em quase todas as aplicações e de modo mais sustentável, porque recupera áreas degradadas, permite colheitas sucessivas sem necessidade de replantio e cresce mais rápido até do que o eucalipto. É a madeira do futuro, mas até agora ainda pouco aproveitada. Leia o artigo, aqui.

Cidades sustentáveis e inteligentes

stefano-boeri-liuzhou-forest-city-masterplan-china-designboom-02No momento em que o projeto Riviera Santa Maria avança rumo à obtenção da Licença Ambiental de Implantação, outros dois projetos, que buscam abrigar número semelhante de habitantes, chamam a atenção. Um refere-se à primeira “cidade floresta” do mundo, que está sendo construída em Liuzhou, na China. Vai acomodar cerca de 30 mil pessoas, com casas, hotéis, escritórios, hospitais, escolas e tudo aquilo que uma cidade tradicional precisa (aqui). Outro trata da primeira cidade inteligente social do mundo, que está sendo construída em São Gonçalo do Amarante, a 60 km de Fortaleza, no Ceará. A primeira parte da Smart City Laguna, que comportará 25 mil moradores, deve ser entregue já em dezembro de 2017. Notícia da Gazeta de Itapoá, aqui.